Projeto Social | Garotinho Feliz | em santo andré | nota 10

Projeto Social | Garotinho Feliz |  em santo andré | nota 10
Com a consciência de que apenas pela educação nosso País pode ser melhor, Givaldo Bernardo da Silva, 51 anos, arregaça as mangas e se prepara para o trabalho todos os dias. Não um emprego comum, em um escritório ou fábrica, mas na ONG (organização não governamental) em que ele próprio criou, em 2004, o Projeto Garotinho Feliz.
Garotinho Feliz

Garotinho feliz

Garotinho feliz

Projeto Social | Garotinho Feliz | em santo andré | nota 10

Como organizar a bagunça? Gil seguiu um conselho da esposa: só jogava bola quem tinha o caderno em ordem e não falasse palavrão durante as partidas. Ele admite que as novas regras demoraram a pegar, mas as crianças passaram a aceitar a ideia e mais, melhoraram muito o desempenho escolar. A fama do “professor Gil” cresceu, pais traziam seus filhos para participar do time dos garotinhos.

Projeto Social | Garotinho Feliz | em santo andré | nota 10
Foi Gil quem decidiu batizar como “Garotinho Feliz” o projeto que nasceu em 2004. Cinco anos depois, quando a mãe de Gil faleceu, sua casa foi transformada na sede do projeto, que passou a oferecer aulas de reforço escolar, inglês, computação, desenho e violão para a criançada. Para os pais, aulas de artesanato e corte e costura.

Para estimular os pequenos, valem troféu para o caderno mais bonito e concurso de desenho. Hoje são 263 crianças, de 5 a 16 anos, atendidas gratuitamente, mas falta espaço para ampliar as atividades.

Para os treinos de futebol, a ONG pode utilizar a quadra de uma escola no bairro somente das 18h às 21h30, três vezes por semana.

AULAS E CURSOS OFERECIDO PELO PROJETO SÃO : ARTESANATO BIBLIOTECA CALIGRÁFIACINEMACONCURSO DE DESENHOCORTE E COSTURAINFORMÁTICAINGLÊSAULAS DE VIOLÃOCORALJOGOS DE FUTEBOL

Todo recurso vem de doações e o trabalho é feito por 10 voluntários. Na lista de espera, mais de 100 crianças aguardam para entrar no projeto. Gil deixou de trabalhar e hoje se dedica somente ao seu sonho. O ideal de que é somente pela educação que podemos tornar o mundo melhor. E alguém tem dúvidas de que ele vai conseguir?

Mas até a criação do projeto social no Parque João Ramalho, na periferia de Santo André, Gil, como é mais conhecido, teve de superar muitos obstáculos. A começar pela morte do pai, quando ele tinha 6 anos. A mãe teve de deixar os sete filhos pequenos em uma creche para trabalhar. Era somente quando iam para o Lar Menino de Jesus que as crianças conseguiam se alimentar.

04/08/2015 17:41